Guia de leitura: violência policial nos EUA e discriminação racial

Por Diogo Bercito

A morte do cidadão negro Keith Lamont Scott, 43, em uma ação da polícia trouxe de volta ao noticiário americano dois dos temas recorrentes desses últimos anos: a violência policial e a discriminação racial. Houve protestos na terça (20) e na quarta-feira (21), e o governador da Carolina do Norte declarou estado de emergência em Charlotte, cenário da ação.

O assunto é bastante complexo, ainda mais para quem adiou a leitura das notícias e, quando o assunto surgiu no jantar de família, não soube como contribuir à conversa. Mas não se acanhem! O Mundialíssimo blog reúne, abaixo, uma sugestão de cinco textos sobre os protestos em Charlotte. Parte do material está em inglês.

1. O QUE SABEMOS ATÉ AGORA?
O site americano Vox.com tem um bom resumo dos acontecimentos, a partir da morte de Scott. Autoridades procuravam um suspeito próximo à Universidade da Carolina do Norte quando se depararam com Scott. A polícia diz que ele estava armado. Uma mulher, que afirma ser sua filha, diz que ele estava lendo um livro. Um policial disparou e matou Scott. As forças de segurança americanas afirmam ter alertado diversas vezes antes de atirar.

2. CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA CRITICAM VIOLÊNCIA POLICIAL
Tanto o republicano Donald Trump quanto a democrata Hillary Clinton, candidatos à Presidência dos EUA, condenaram os acontecimentos de Charlotte. Segundo Anna Virginia Balloussier, correspondente da Folha em Nova York, Trump se disse “muito perturbado” e Hillary classificou como “insuportável” as mais recentes mortes de homens negros por policiais. A reação de Trump contrasta com aquela de julho, quando ele criticou o movimento Black Lives Matter (vidas negras importam).

3. GRUPOS QUESTIONAM LENTIDÃO DA ASSISTÊNCIA POLICIAL A FERIDOS
Segundo um texto da agência de notícias Associated Press reproduzido pela Folha, os vídeos gravados nas ações policiais dão a impressão de que os feridos foram deixados sozinhos para morrer, sem qualquer urgência na tentativa de salvá-los. Para especialistas em assuntos policiais, no entanto, a espera é uma estratégia para que policiais estejam seguros antes que alguém se aproxime de uma pessoa que pode estar armada.

4. UMA FOTO QUE RESUME OS CONFRONTOS
O jornal britânico “Guardian” publicou um artigo de opinião sobre a foto que, sozinha, resume os confrontos nos EUA. A imagem mostra uma fileira de policiais armados e, atrás deles, um ônibus com o seguinte letreiro: fora de serviço. Para a autora, Ijeoma Oluo, as forças de segurança dos EUA não estão mesmo a serviço dos negros. “É a mensagem que a polícia sempre enviou aos negros americanos.”

Para o "Guardian", esta foto resume os confrontos nos EUA. Crédito  Adam Rhew/AFP
Para o “Guardian”, esta foto resume os confrontos nos EUA. Crédito Adam Rhew/AFP

5. NOVE FATOS SOBRE A VIOLÊNCIA POLICIAL NOS EUA
Para colocar as notícias recentes sob contexto, pode ser útil ler um resumo publicado pelo site americano Vox.com sobre a violência policial nos EUA. Segundo a lista, a polícia americana atira e mata mais do que as de outros países. Há, ademais, enorme disparidade racial em relação a que situações a polícia usa a força. E policiais raramente são condenados.