Por que há um perigoso conflito em Nagorno-Karabakh?

Por Diogo Bercito

Este Mundialíssimo blog não julga quem 1) Não faz ideia do que seja Nagorno-Karabakh, 2)  Não sabe pronunciar esse nome e 3) Vai se esquecer de como se soletra o termo assim que fechar a janela do navegador.

Dito isso, Nagorno-Karabakh é um dos assuntos mais importantes do noticiário internacional desta semana. Forças do Azerbaijão e da Armênia entraram em confronto nessa delicada fronteira. Foi declarada uma trégua, mas as questões por trás da disputa permanecem em aberto. Assim, vocês encontram abaixo quatro perguntas e respostas que podem ajudar a entender esse tema:

O que é Nagorno-Ka…. Kara o quê?
Karabakh. É uma região dentro do Azerbaijão onde vive uma maioria étnica armênia. Com o fim da União Soviética, a população tentou unir-se à Armênia, levando a um conflito com o governo do Azerbaijão entre 1991 e 1994, com aproximadamente 30 mil mortos. Há desde então um cessar-fogo e tentativas frustradas de paz. Nagorno-Karabakh tem um governo separatista, não reconhecido pelo restante do mundo.

Por que essa questão é importante?
Nagorno-Karabakh reaparece no discurso político de tempos em tempos, principalmente quando os governos do Azerbaijão e da Armênia precisam de temas para buscar apoio entre a população –e distrair a atenção de problemas internos, como a corrupção.

Helicóptero azeri derrubado no confronto com forças armênias no sábado (2). Crédito Associated Press
Helicóptero azeri derrubado no confronto com forças armênias no sábado (2). Crédito Associated Press

Mas é importante também para o resto do mundo?
Sim. Como vemos diariamente na Síria, esses conflitos dificilmente permanecem como questões locais. O Azerbaijão tem laços históricos com a Turquia, enquanto a Armênia é politicamente alinhada à Rússia. Um confronto nessa região poderia, assim, envolver dois gigantes da geopolítica internacional. Não ajuda o fato de que a Turquia derrubou um avião russo no ano passado.

E o Azerbaijão? Por que é um ator importante na região?
O Azerbaijão é um importante exportador de gás e petróleo, além de estar localizado em uma região estratégica para o fluxo dessas exportações. A instabilidade no Azerbaijão teria consequências para a vizinhança. Foi, aliás, graças ao petróleo que o país pôde investir enormes quantias de seu orçamento no Exército nos últimos anos. Segundo o jornal americano “New York Times”, o Azerbaijão comprou nos últimos anos o equivalente a US$ 4 bilhões de armas, a maior parte delas russas. “O presidente enfrenta pressão pública para mostrar alguma razão para o investimento.”