Projeto mapeia refugiados ao redor do mundo

Por Diogo Bercito

Turquia e União Europeia têm negociado, nos últimos dias, soluções para a crise dos refugiados. As negociações, que incluem exigências por parte da Turquia, foram criticadas por organizações humanitárias. A ONG Médicos sem Fronteiras, por exemplo, viu no acordo um exemplo de “cinismo”.

O fluxo de centenas de milhares de refugiados é uma das principais questões humanitárias desses últimos anos. Milhões fugiram da Síria desde 2011, diante da calamidade no país, e se instalaram principalmente em nações vizinhas. Uma parcela deles também viajou à Europa, com milhares de mortos durante a travessia pelo mar Mediterrâneo. Há também um grande número de refugiados vindos do Afeganistão.

Um projeto de uma empresa americana especializada em inteligência geográfica reúne em uma mesma página informações sobre a origem, o destino e o trajeto desses refugiados. O mapa interativo é parte de uma iniciativa mais ampla chamada Story Maps.

Tela do "Syria: Epicenter of a Deepening Refugee Crisis". Crédito Divulgação
Tela do “Syria: Epicenter of a Deepening Refugee Crisis”. Crédito Divulgação

Também aparecem no mapa os mais de 7 milhões de sírios deslocados dentro das fronteiras do país, que nem sempre aparecem no noticiário –pessoas que ainda vivem na Síria, apesar dos ataques do regime de Bashar al-Assad, da organização terrorista Estado Islâmico e de potências internacionais como a Rússia e a França.

O conflito na Síria começou em 2011, a partir de manifestações democráticas, mais tarde escaladas pela violenta resposta das forças de segurança. Segundo algumas estimativas, morreram no país em torno de 500 mil pessoas. Há um desastre humanitário, com multidões carentes de necessidades básicas, como alimentação e medicamentos.