Islândia anula lei que permitia matar bascos

Por Diogo Bercito

“Bem-vindo à Islândia. Não há luz do sol. Você está pegando fogo. Um demônio come seu rosto. Venha para a Islândia e nos dê seu olho.”

Cena do programa Saturday Night Live com imitação da cantora islandesa Björk. Crédito Reprodução
Cena do programa Saturday Night Live com imitação da cantora islandesa Björk. Crédito Reprodução

Essa música, composta pelos comediantes do programa americano Saturday Night Live, dá conta da fama de esquisitona que a Islândia tem. Essa ilhota é, afinal, a pátria da cantora Björk, imortal desde que vestiu um ganso na cerimônia do Oscar em 2001.

Mas a Islândia, para além da ficção, é de fato cenário de algumas histórias curiosas. O jornal “Washington Post” noticiou, por exemplo, a revogação da lei que aprovava há quatro séculos a morte de bascos na região de Westfjords. A legislação remontava ao ano de 1615, data de atritos entre moradores locais e um grupo de náufragos da costa norte da Espanha.

Um "aviso de incerteza" diante do vulcão Bardarbunga, na Islândia. Crédito Sigtryggur Johannsson - 19.ago.2014/Reuters
Um “aviso de incerteza” diante do vulcão Bardarbunga, na Islândia. Crédito Sigtryggur Johannsson – 19.ago.2014/Reuters

Desnecessário dizer que essa lei não foi aplicada nos últimos séculos e que moradores do país Basco não correm perigo se quiserem visitar essa ilha de 300 mil habitantes e percorrer sua geografia bjorquesca. “Temos leis e, é claro, matar alguém — incluindo bascos — é proibido hoje em dia”, afirmou a repórteres o comissário Jonas Gudmundsson.

A Islândia é um curioso país no estremo oeste da Europa. É uma ilhavulcânica marcada pelos cenários dramáticos que Björk homenageou no clipe de sua canção Joga.  Mais de 10% da ilha estão cobertos por gelo, segundo a revista “National Geographic”, mas correntes do Golfo aquecem algumas de suas regiões. O “Althingi”, estabelecido em 930, é o Parlamento em funcionamento contínuo há mais tempo no mundo. A ilha esteve ocupada pela Dinamarca por mais de cinco séculos e tornou-se uma república em 1944.

O lendário vestido de ganso na cerimônia do Oscar, em 2001.
O lendário vestido de ganso na cerimônia do Oscar, em 2001.