O que está acontecendo na Nigéria?

Por Diogo Bercito

Em janeiro, um grupo terrorista atacou uma cidade e deixou centenas de mortos. Parte da cidade foi reduzida ao pó. A vegetação sumiu. Os relatos indicam o massacre de crianças e idosos. Mas há chances de que você nem saiba do que estou escrevendo.

É a história da cidade de uma cidade no nordeste da Nigéria que sofre não apenas pelos ataques dos terroristas do Boko Haram, mas também pelo descaso por parte do Exército nigeriano e do público internacional.

Confesso: não sei nada sobre esse ataque recente. Me ajuda?
O grupo terrorista Boko Haram atacou a cidade de Baga no início de janeiro, destruindo milhares de construções. O número de mortes ainda é controverso, mas a Anistia Internacional estima 2.000 vítimas. Veja abaixo nas imagens de satélite o grau de destruição causado na cidade.

Fotos mostram Baga antes (em cima) e após ataque do Boko Haram; pontos vermelhos são vegetação
Fotos mostram Baga antes (em cima) e após ataque do Boko Haram; pontos vermelhos são vegetação

Mas por quê?
É uma ótima pergunta, mas não há uma resposta clara. É possível que o grupo quisesse, por exemplo, intimidar nigerianos –que em 14 de fevereiro vão às urnas para eleger seu presidente. O Boko Haram discorda dessa prática democrática, que considera incompatível com o islã.

O que é Boko Haram?
É um grupo militante que tenta, há anos, criar um califado no norte da África, à imagem dos impérios medievais da região. É uma organização violenta que busca impôr sua visão radical a respeito do islã, como a Al Qaeda e o Estado Islâmico recém-surgido na Síria e no Iraque.

Está dando certo?
Não. Ao contrário do Estado Islâmico, o Boko Haram (cujo nome significa “educação ocidental é proibida”) não conseguiu erguer nenhuma estrutura de governo no território sob seu controle. Desde 2009, confrontos entre o Boko Haram e o Exército já deixaram mais de 13 mil mortos na Nigéria e um milhão de refugiados.

Onde está o Boko Haram?
No nordeste da Nigéria, em especial nos Estados de Yobe, Borno e Adamawa, onde há estado de emergência.

mapa

Por que ali?
Por vários motivos. Como sugere um texto recente do site Vox, é a região nigeriana com a presença mais fraca do governo. Veja o mapa abaixo representando a vacinação de crianças de um ano de idade, no país, e note que as taxas mais altas estão concentradas no outro lado. Em Borno, está entre 0 e 9%. A ausência do Estado é um forte incentivo para que grupos terroristas proliferem, como ocorre hoje na Somália.

É pior do que Al Qaeda e Estado Islâmico?
Não existe melhor ou pior. Mas o nível de violência do Boko Haram é impressionante. No gráfico abaixo, é possível comparar os números de mortos e feridos em países como Síria, Iraque, Nigéria e Afeganistão. A Nigéria tem os valores mais baixos para feridos –mas os mais altos para mortos.

É o primeiro grande ataque do grupo?
Não. Em abril, o Boko Haram sequestrou 300 garotas nigerianas, levando a condenações que incluíram uma campanha com a primeira-dama americana, Michelle ObamaEm 2011, um ataque à ONU deixou 19 mortos.

O que fazer?
Ninguém sabe. Mas começou na terça-feira (20) uma reunião internacional sobre o assunto. É esperado, por exemplo, que haja uma maior cooperação entre os Exércitos regionais, como o de Camarões e o do Chade. É, afinal, um problema para além das fronteiras —supostos militantes do Boko Haram sequestraram 80 pessoas no Camarões, no domingo (18).