Guia de leitura às eleições nos EUA

Por Diogo Bercito

Você abriu o jornal hoje e, surpresa!, os Estados Unidos estão celebrando suas eleições legislativas de meio de mandato. Está certo que o voto não é para presidente e, assim, todo o processo possa lhe parecer desimportante. Não é. Para provar, e aproveitando para listar leituras que possam ajudar na compreensão do tema, o Mundialíssimo escolhe cinco tópicos sobre as tais midterm:

EUA VOTAM PARA SENADO E CÂMARA
As eleições desta terça-feira (4) não elegem presidente. Serão decididos assentos na Câmara dos Deputados e parte das cadeiras do Senado, no que é conhecido nos EUA como “eleições de meio de mandato”. Clique aqui para ler a reportagem de Raul Juste Lores, correspondente da Folha em Washington, para mais detalhes. Mas já antecipo: a expectativa é de avanço republicano.

OBAMA NÃO MANDA BEM NA DANÇA DA CADEIRA
Ele já é, afinal, o presidente americano que mais perdeu assentos na Câmara desde Eisenhower. Caso as previsões para as eleições desta terça-feira estejam corretas e os democratas percam mais cadeiras neste ano, Obama irá superar Eisenhower na conta. O que, é claro, não significa que dance mal –mas dê conta da baixa satisfação popular com seu mandato. Clique aqui para ver a lista completa compilada pelo site Vox.

O MANDATO DE OBAMA VAI SE COMPLICAR
Uma análise de Geraldo Zahran publicada na Folha (clique aqui) usa o adjetivo “melancólico” para a perspectiva do restante governo Obama. Se republicanos confirmarem a tendência apontada pelas pesquisas, o partido manterá o controle da Câmara (que já tem desde 2011) e retomará o Senado (democrata desde 2007). “Obama, que já governou os últimos quatro anos com Congresso dividido, teria de lidar com a oposição em todo o Legislativo.”

MAS NINGUÉM VAI GANHAR
O colunista da Folha Clóvis Rossi mapeia (clique aqui para ler) o desalento do eleitor americano, descontente com o governo e suas instituições. Seu texto é intitulado “a superpotência vota amuada”. Fica claro para o colunista que, a despeito dos resultados das eleições de hoje (tradicionalmente, com baixa participação –o voto não é obrigatório), ninguém vai ter vencido.

AMERICANOS TAMBÉM VOTAM SOBRE MACONHA E ABORTO
As eleições desta terça-feira incluem plebiscitos em diferentes Estados a respeito de questões como maconha (clique aqui para análise do Vox), aborto (clique aqui, no National Journal) e salário mínimo (clique aqui, no Washington Post). Giuliana Vallone, correspondente da Folha em Nova York, escreveu sobre esses votos (clique aqui).