Como o ebola chegou aos EUA e à Europa?

Por Diogo Bercito

A primeira informação relevante é: não é caso para pânico. A segunda é: depois de ter sido diagnosticado um caso de ebola nos Estados Unidos (clique aqui para ler sobre isso), foi anunciado nesta segunda-feira (6) o primeiro contaminado na Europa –uma enfermeira em Madri, onde por acaso vive o autor deste Mundialíssimo blog. As informações preliminares estão neste link. É a primeira vez que alguém contrai a doença fora da África, neste surto. Os casos anteriores tinham sido trazidos do continente.

Como assim não é caso para pânico? Não é um vírus super letal?
É, e a infecção na Espanha é de fato grave. Como a enfermeira não sabia que tinha o vírus, ela esteve de férias desde a morte de Manuel García Viejo, de quem ela tratava, no fim de setembro. Isso quer dizer que esteve em contato com outras pessoas, enquanto não sabia que estava doente.

A doença vai se espalhar?
Especialistas estão recomendando calma. A Espanha tem um sistema de saúde mais bem preparado e equipado, em comparação com a Libéria e a Serra Leoa, de onde foram trazidos os dois pacientes com ebola nos últimos dois meses. As medidas de contenção devem ser mais eficazes, e o governo está acompanhando o caso.

Mas como a infecção aconteceu?
Ainda não se sabe. Mas funcionários do hospital que cuidaram dos espanhóis infectados, antes que morressem, têm relatado falhas nos procedimentos de segurança (clique aqui para ler). O “El País” publicou, por exemplo, uma foto em que um funcionário aparece de luva de látex vedada por fita isolante –o que dificilmente faz parte dos procedimentos-padrão.

Foi assim também nos EUA?
Não. O caso que está sendo tratado lá é de um homem que trouxe o vírus da África. Pode não fazer diferença para o paciente, mas é uma informação relevante em relação ao contágio –enquanto não surgirem notícias de outros casos nos EUA, será provável que esse homem não contagiou mais ninguém desde que chegou ao país.

Aliás, como o ebola se transmite?
Por contato direto com fluidos, como vômito e sangue. Nunca pelo ar. A transmissão ocorre, ainda, apenas quando o paciente apresenta os sintomas. O quadro abaixo explica esse processo.

O que é ebola?
Já conversamos sobre isso! Clique aqui para relembrar. Mas adianto: é um vírus. Veja a ilustração abaixo. No link, há mais informações sobre a epidemia.

O Brasil está ajudando no combate ao ebola?
Até está. Mas com uma doação tímida que foi alvo de críticas (clique aqui para ler). O Brasil doou US$ 402 mil, enquanto os EUA já desembolsaram US$ 175 milhões.